O Moto Clube (Resumão)

O Moto Clube

“Alerta de Textão”


Autor desconhecido – Texto amplamente divulgado nas redes sociais – O texto provavelmente é uma compilação de vários outros arquivos, podendo ter vários autores.


No motociclismo um MC pode ser dirigido por apenas um Presidente, ou até por um Conselho de Diretores, mas o correto é que exista o Presidente, o Vice e sua Diretoria com cargos hierárquicos, podendo alguns cargos serem acumulativos.
Moto Clube de apenas um integrante, ou um motociclista e sua garupa, não existe pois um Clube é formado por sócios, integrantes, companheiros, amigos e acima de tudo irmãos… e menos de 6 integrantes é um pequeno grupo, no máximo podendo ser denominado de Moto Grupo.

Um Moto Clube é uma Associação de motociclistas para determinados fins, sejam eles quais forem, podendo inclusive um Moto Clube ser especifico para realizar competições ou possuir interesses comerciais e lucrativos. Já um Moto Grupo é mais simples, desde a sua formação, ideologia e fins, que normalmente são mais voltados apenas para o agrupamento de motociclistas e voltado para o lazer, sem compromissos diretos ou indiretos com a sociedade ou a própria Irmandade.
Toda agremiação antes de se tornar um Moto Clube deveria passar pelo estágio de Moto Grupo. Da mesma forma que um integrante começa como PP e só recebe o Brasão após ser aceito pelos irmãos, um MG só deveria passar a MC após ser aceito pela irmandade.

A palavra irmandade provém de irmão, portanto considerando-se que os motociclistas possuem os mesmos ideais relacionados à motocicleta, se consideram “irmãos por afinidade” e portanto pertencem a uma mesma Irmandade. Claro que isso vem de muito tempo e esta Irmandade cresceu baseada em tradições e regras próprias que a tornam única, portanto sua ideologia não deve ser desvirtuada mas sim preservada a todo custo sempre honrando suas cores, um dos outros, cada um com a sua bandeira.
Apesar dos esclarecimentos descritos acima, tais regras contidas na tradição do motociclismo são repassadas por gerações entre seus irmãos e suas aplicações são feitas pelos Moto Clubes, reais representantes dos motociclistas.

Quanto ao registro de MCs há controvérsias, existem hoje segmentos dentro da Irmandade que só reconhecem os Clubes que são registrados em Cartório, já outros acham que isso e coisa para Empresa, que um MC é algo diferente, apenas uma união de Irmãos que compactuam a mesma opinião, podendo até divergir em alguns assuntos, mais que todos seguem numa única direção pensando no MC, sem muita burocracia. Considerando-se que MCs podem ser fundados com diversos fins, ambos estão certos, pois para aqueles com envolvimento financeiro, comercial ou que de alguma forma necessite do CGC ou CNPJ, o registro é vital, mas para os mais radicais e voltados para a organização tradicional, o registro é dispensável.

HISTÓRIA

A história do surgimento dos moto clubes é de certa forma complexa, pesquisando você encontra informações que associa o surgimento, em parte, ao final da guerra onde ex-militares e pilotos no pós guerra teriam feito da moto o veículo de busca de adrenalina formando diversos grupos como 13 Rebels e os Yellow Jackets da Califórnia. Nessa época já usavam identificação do grupo e mais tarde foram desenvolvendo os escudos ( brasões ) que passaram a defender e adaptavam as regras da hierarquia militar em uma irmandade formada por cargos eletivos das associações. Sabemos que muito antes disto os motociclistas já haviam percebido as vantagens de andar em grupo e já existiam associações que eram entidades sociais de pessoas que andavam de motos. A sociedade ainda confunde motociclistas com motoqueiros que aparecem em nossos encontros fazendo arruaças ( estouro de motor, borrachão, empinadas, etc. ). Além disso de 5 eventos motociclísticos 3 são na verdade feiras comerciais embutidas em nomes de encontro nacional e nada a tem a ver com nossos princípios.
A partir da década de 70 viu-se a implantação de diversos moto clubes pelo mundo, a maioria já seguindo o princípio de hierarquia e irmandade. No Brasil a popularização iniciou-se na década de 90.
Hoje muita coisa anda desvirtuada, moto clubes são criados a revelia, como nomes perjorativos e por pessoas que desconhecem a história e o espírito biker, sequer sabem o significado de um brasão, honrar e respeitar as cores e muito menos seguem os princípios de irmandade. Os moto clubes autênticos foram forçados a criar campanhas para evitar abusos e coibir arruaceiros em seus eventos, em contrapartida a cada dia são criados novos eventos que nada têm a ver com as tradições biker, na verdade são eventos que enriquecem empresários e promovem candidatos políticos que se aproveitam da popularidade para atrair admiradores de motos, já que os motociclistas autênticos passam longe de tais encontros.

TRADIÇÃO

Notem que um segmento perpetua as raízes, décadas e séculos de regras, história e tradição. Já o outro segmento é moderno, é menos radical e está mais ligado à sociedade civil do que a própria Irmandade. No fim estes Moto Clubes possuem as mesmas finalidades, reunir os motociclistas, portanto só cabe aos novos Moto Clubes e motociclistas se decidirem por uma filosofia nova ou a tradicional.

Vale frisar também que nos dias de hoje a burocracia é um mal necessário, visto que um MC sem registro não aluga imóvel para a sede, não abre conta em banco, não contrata funcionários, não se filia a Associações ou Federações, não tira alvará para realização de Eventos, e em alguns estados e países não pode nem rodar nas estradas sem o mesmo.

Moto clubes ao contrário do que os leigos e desinformados pensam não é um grupo de motociclistas que apenas se reúnem para lazer e seus integrantes usam nas costas um desenho por estética! Moto clubes são associações baseadas na Irmandade e tradição biker. Hoje em dia precisamos diferenciar um moto clube autêntico dos diversos grupos que deveriam receber qualquer denominação exceto moto clube, como exemplo de grupos que não têm nada a ver com moto clubes e que no máximo poderiam ser denominados moto grupos. Podemos citar como exemplo os “caçadores de troféus”, ou seja, grupos ou pessoas que vestem colete sem saber seu real significado apenas para conseguir lembranças que normalmente são entregues aos moto clubes como lembrança do seu evento.

SER INTEGRANTE

Para ser um integrante de um Moto clube é necessário e imprescindível seguir as regras do próprio Moto clube. São inúmeras e variadas, porém o que vale para um MC, não vale para outro. Segue alguns exemplos:

Respeito à Hierarquia (Presidente, Vice-Presidente, Secretário, Tesoureiro, Escudo Fechado, Meio Escudo, PP (Pretendente à Participante ou Pouca Prática) e Aspirante
Respeito às regras de Trânsito,
Respeito às regras do Encontro e/ou Moto clube Sediador do Evento
Em caso de problemas com outro Moto clube reportar-se ao seu Presidente, para que este resolva com o Presidente do outro Moto clube (integrante não resolve nada com outro integrante)
Em estrada respeitar o ordenamento do comboio,
Responder as convocações, apresentando justificativa em caso de negativa/ausência
Obrigatoriedade de comparecimento aos Encontros de Calendário Fixo, com possibilidade de aplicação de punições ou sansões.

A sequência natural para se tornar integrante de qualquer Moto clube é:

PP (Pouca Prática), Meio-Escudo e Escudo Fechado. (Isso diz respeito as traduções do Brasil)

Muitos integrantes não aguentam esperar pelo tempo definido pelo Moto clubes, tão pouco passar pelos sacrifícios que requer o próximo título, que é dado por confiança e merecimento.
Dependendo do Moto clube demora-se até 10 anos para um colete fechado(Full Patch Members).

REPRESENTANTES

Na sociedade existem embaixadores, no motociclismo existem “Representantes”.

Uma Facção também pode possuir sede própria na cidade onde se situa, mas não pode ter Estatuto próprio ou diretrizes diferentes da sede. A Facção utiliza o mesmo Brasão, e é recomendada a inscrição do nome da cidade, em outro bordado anexo à ele. O responsável pela Facção é o Diretor da Facção, não existindo outro “Presidente”.

Qualquer entidade social, devidamente registrada, tem que ter registrada sua Ata de Criação e por conseguinte a Diretoria que a compõe, ou seja, segundo normas da legislação ( código civil ) e também de nossa Irmandade, um número mínimo de seis (06 )integrantes.

HIERARQUIA DE UM MOTO CLUBE

O Presidente é o líder do clube, e pode ser votado nesta posição ou ter proferido pelo Presidente anterior. Comanda o clube,porem suas ideias principais devem ser passadas para uma votação.

O vice-presidente é o segundo no comando, e levará em tempos onde o presidente não pode (como doença ou reclusão). Em alguns clubes, o presidente pode ser uma figura de tipo eo vice-presidente será o líder “verdadeiro” de um clube. Ele é ou eleito para este cargo, ou nomeados pelo presidente.

O Sergeant-at-Arms. Sua função básica é a de manter a ordem nas reuniões e lidar com clube e segurança do clube. Nos clubes “fora da lei”, este papel pode se estender para liderar o clube nos ataques durante a guerra, e tentando identificar os membros considerados desleais ou potencialmente atuando para a aplicação da lei, então lidar com eles – geralmente brutalmente.

Capitão da estrada. Organiza rotas para os clubes a tomar quando sair em um passeio, e garante a segurança na estrada. Eu tenho certeza que o seu papel se estende até nos clubes “fora da lei”.

MEMBRO ESCUDADO OU PARCIALMENTE ESCUDADO
Ex-Prospect que acaba de ser aceito como membro.

Prospect. Membro recém contratado, recebe ordem e não tem direito a votação e em opinar situações

O BRASÃO

O Brasão, símbolo ou escudo é a identificação visual que o motociclista escudado porta de seu Moto Clube. Essa identificação é o que lhe diferencia dos demais motociclistas. O Brasão é a “bandeira” ou “as cores” do MC, nele estão representados basicamente o logotipo do Clube ( Normalmente um desenho que diz respeito ao nome ), o Nome, a sigla “MC” ou “MG” ( MC = moto clube; MG = moto grupo e em outros estados pode mudar de sigla, como por exemplo no estado do Paraná é MA = moto amigos ), nome da cidade e estado. Para um motociclista portar nas costas o brasão ou símbolo de um Clube ele tem que provar merecê-lo, é observado por meses, ou até mesmo por anos dependendo do estilo do clube, e tem que provar ser um motociclista responsável e um verdadeiro irmão de seus companheiros, sejam eles do mesmo MC ou não. Portanto frequentar a Irmandade sem portar o brasão ou símbolo do clube a que se pertence é renegar suas cores e renegar o apoio aos demais irmãos. Em Eventos a presença dos MCs é marcada por bandeiras com seus brasões e símbolos, cada um com suas cores e filosofias.

Os novos integrantes devem receber os Brasões por etapas, a medida que forem subindo de estágio. Ao entrar deve acompanhar os novos irmãos sem portar nada nas costas do colete, após ser aprovado no primeiro estágio recebe a primeira parte “PP”, depois sobe “Meio Escudo” e por fim “Escudo Fechado” quando passa realmente a pertencer ao Clube, pois antes disso não é integrante efetivo e qualquer deslize pode tirar-lhe o privilégio de ingressar no MC.

O QUE SIGNIFICA MC OU MC’S?

A sigla MC no Brasil é a abreviatura de Moto Clube, no plural MCs. No exterior o MC significa Motorcycle Club e só é utilizada por legítimos e tradicionais MCs, pois no exterior MCs não podem ser fundados clubes à revelia, somente Moto Grupos ou Facções podem ser criadas em territórios já pertencentes a MCs radicais.
Um Moto Clube pode ter além de sua sede, integrantes residentes em outras cidades e até em outros países, que tendo número necessário de integrantes é denominada de Facção, no caso de apenas um motociclista fora da sede é tido tão somente como um Representante.

PATCH(ESCUDOS OU BRASÕES)

O patch é uma peça que representa um grupo de motociclistas. Para ter o direito de usá-lo é necessário filiar-se ao moto clube que se deseja mediante a aprovação de seus membros. Um patch de 2 peças representa um clube em transição. Ele está a espera da aprovação de um clube dominante para poder usar 3 peças, encontrando-se muitas vezes em processo de se tornar um clube de apoio ou de se associar a MCs maiores. Este processo é importante para que se respeite a hierarquia e não haja problemas entre a comunidade de MCs.

PATCH DE 3 PEÇAS: O escudo (patch) de 3 peças identifica os moto clubes tradicionais, não sendo sancionados por associações motociclísticas, o que não signifique também que sejam clubes 1%.
O membro com 3 peças de patch é considerado escudo fechado e sócio aceito do MC. O “hangaround” é uma pessoa elegível para a adesão do MC e convidado pelos membros a frequentar suas instalações e atividades. Mediante a aprovação dos membros do moto clube e o patrocínio de um membro pleno, ele poderá se tornar um “prospect” e terá o direito de usar a parte inferior do patch e, caso conclua com êxito o período de treinamento e seja aprovado por 100% dos membros, adquirirá o direito de usar o full patch, ou seja, o escudo completo com as 3 peças.
O patch com 3 peças representa a velha escola dos MC que aderem aos protocolos e códigos estabelecidos, tradições e também ao código de conduta e normas internacionais dos moto clubes.

PATCH DE 2 PEÇAS: O patch de duas peças pode ter muitos significados diferentes desde que seja feito com respeito aos clubes da área.

PATCH DE 1 PEÇAS: Patch de uma peça,normalmente significa um moto clube de família ou moto clube social

INICIANTE: Nos Moto clubes Biker para se tornar membro pleno (escudado) ele dever passar por voto dos sócios e jura lealdade ao clube.
Alguns clubes tem um Patch (FAIXA) exclusivo que são usados nos coletes dos iniciantes.
Nestes clubes o Iniciante passa por alguns trotes a fim de testar seu compromisso com o clube, que vão desde desempenho de tarefas obrigatórias a brincadeiras durante o prospero pode usar em seu colete a faixa de próspero durante algum tempo que pode varias de clube para clube.após algum tempo de teste o prospero e julgado pela diretoria para que possa ser decidido sua integração plena no clube.
Em algum clubes existe o estagio de meio escudo onde o membro recebe a metade do escudo ,mas ele ainda está sobre aprovação para se tornar um membro efetivo.

Nunca, jamais, copie o patche de um moto clube. Ali tem uma identidade, uma regra dos caras, um significado. Se você copia aquele escudo porque acha “estiloso”, depois não pode ficar puto porque alguém te intimou em um encontro de motos.

COLETES

No início da era do motociclismo, os primeiros MCs, do jeito como os conhecemos hoje, eram formados por veteranos do exército que usavam o mesmo tipo de identificação com a qual eles estavam acostumados durante a Segunda Guerra Mundial: jaquetas de couro com pinturas indicando o seu esquadrão, inspiradas na nose art das aeronaves.
A razão de se trocar as jaquetas pelos coletes de couro ou jeans, nunca ficou clara. Mas existem algumas teorias:
Alguns acreditam que é mais uma das influências do mito do cowboy, discutido neste post aqui. Os vaqueiros americanos costumavam usar coletes de couro para proteger o peito do frio, mas de forma a deixar os braços livres para se movimentarem e cavalgarem melhor.
Outros, como eu, acreditam que os coletes também foram a maneira encontrada de se mostrar o logo do clube tanto no calor como no frio, já que os primeiros grandes MCs surgiram na ensolarada Califórnia. Um colete jeans, por exemplo, pode ser usado tanto sobre uma camiseta quanto sobre uma jaqueta de couro, e você continua mostrando as cores do seu clube em ambas situações.

MOTO CLUBE 1%ER OU OUTLAW

Alguns MCs são chamados de 1%er (abreviação do inglês de one percenter, daí o 1% + er) ou outlaw bikers. O nome veio de uma das histórias mais manjadas do motociclismo, quando um grupo de motoqueiros fez arruaça em uma cidadezinha e a AMA (American Motorcyclist Association) correu para dizer ao público que 99% dos motociclistas respeitavam a lei. O pessoal da arruaça quis fazer graça com isso e passaram a se autointitular de 1%. A história desse acontecimento você pode ler no post “Os verdadeiros Wild Ones”.

HISTÓRIA DOS MC’S 1%

Existe muito mito e desinformação, muito achismo, que já terminou até em briga, como foi o caso do cara que teve o seu colete da série Sons of Anarchy arrancado no meio de um encontro, ou do cidadão que se meteu no meio de um trem e foi escorraçado. Espero que essa série de posts ajude algumas pessoas a entenderem o porquê disso acontecer, mesmo que não concordem.

8b4b_1É um grande erro dos iniciantes em duas rodas (e até mesmo de alguns veteranos) de achar que esses clubes não existem mais, que eles são apenas coisa de filme. Na verdade, essa percepção se deve ao fato de que muitos desses MCs são extremamente discretos, e o silêncio é parte fundamental da existência deles. Após anos de perseguições nos EUA, por causa de envolvimento com crimes (supostos ou não), a postura de muitos deles mudou para algo mais low profile, e essa atitude se reflete em seus chapters em outros países, já que muitas forças policiais os qualificam como gangues.

Nos EUA, esses clubes são mais populares, já que as motos (especialmente as Harleys) sempre foram muito acessíveis, o que fez com que nunca faltasse motociclista disposto a ingressar neles. E graças a sua longa história e tradição, todos esses MCs tiveram muito tempo para se aperfeiçoar e angariar membros. Não é difícil cruzar com eles nas estradas americanas, em trens formados por dezenas de motos, chegando as centenas.

No Brasil, o processo desses MCs foi bem diferente. Eles começaram a surgir com força apenas nos anos 70, e o processo de crescimento deles foi muito mais lento, já que o motociclismo no Brasil se dividia entre quem tinha dinheiro e quem era apaixonado o suficiente para se virar de qualquer jeito, muitas vezes chegando a construir motos a partir de sucata. E por serem uma galera mais fechada, e também em menor número, não causavam na população a mesma impressão que os clubes de outros países.

A primeira coisa que você precisa entender sobre os membros desses clubes, é que eles possuem um enorme orgulho de fazer parte deles. É como uma família, um compromisso para a vida. Entrar não é (ou pelo menos não era) nada fácil. Você não bate na porta deles e pede pra fazer parte (apesar de que isso acontece bastante). Não é como muitos moto clubes ou moto grupos onde basta você comprar um patch para costurar na jaqueta e pronto. Para fazer parte de um MC 1%, há um longo processo onde você primeiro precisa ser convidado para andar com os caras (também chamado de hang around, parceiro ou camarada), para só depois de um tempo alguém decidir que você pode passar para o próximo estágio e se tornar um prospect, próspero ou PP.

Em tradição com a origem militar dos primeiros clubes, os prósperos seriam como os recrutas de um exército, sendo treinados e moldados antes de se tornarem um soldado. Eles ganham um colete com apenas uma parte do escudo ou patch do clube nas costas (mais uma vez, isso varia de clube para clube), e precisam ficar a disposição 24 horas por dia, 7 dias por semana, para qualquer coisa que sejam chamados. Geralmente ficam com as tarefas mais toscas e ingratas, como limpar a sede e cuidar das motos dos membros, mas alguns passam por coisas bem piores. A idéia é dar a chance deles provarem que o clube pode confiar neles cegamente, e avaliar se eles se encaixam na cultura do MC. Esse período não tem prazo para acabar, podem ser apenas seis meses, mas também pode levar até dois anos até o grupo decidir que o prospect merece fazer parte do clube. Se aceito, ele vai se tornar um escudo fechado ou full patch.

E é justamente nessa parte, dos escudos e logos dos clubes, é que começa a encrenca com quem não é 1%, mas tenta fingir que é.

NOS ESTADOS UNIDOS(EUA)

Nos EUA, quando você quer fundar um moto clube, você precisa ter autorização do M.C. dominante daquele local. Você vai até lá, conversa e diz porque você quer fundar o seu. E existem regras, que todo mundo sabe. E se você não sabe, te ensinam na hora:

1) Nos EUA, você não pode usar cores ou tipos de letras no seu escudo/patch que remetam a outros M.C.s.

2) Nos EUA, você não pode usar no seu escudo qualquer tipo de identificação de território na parte de baixo, como escrever Califórnia por exemplo. Quando você faz isso, você quer dizer que seu M.C. é o dominante naquela área, e isso vai gerar briga.

3) Nos EUA, se o escudo é dividido em uma ou três partes é algo importante também. Os escudos divididos em três partes são reservados apenas aos Outlaws. Se o seu escudo tem topo com o nome do MC, brasão no meio, indicação de território embaixo, e os três são claramente separados um dos outros, você está declarando que seu moto clube é Outlaw.

Essa é uma tradição que remonta dos princípios do motociclismo de lá, e que todo mundo respeita. Aliás, os M.C.s de forças policiais fazem questão de desrespeitar essa regra só para provocar, o que já gerou muita briga. E esse é o motivo do porque o criador da série Sons of Anarchy proibir merchandising oficial com esse desenho em três partes (os coletes que são réplicas do seriado, são piratas e ele mesmo alerta que você vai apanhar se usar um por lá).

Uma dica de site para aprender mais: Old Dog Cycles & Fórum Harley
Fazendo essa pesquisa encontrei diversos sites e fóruns de MC’s. Inclusive tem páginas para você se registrar caso queira fazer parte de algum deles. Contendo tudo o que você precisa saber para ingressar neles.


Autor desconhecido – Texto amplamente divulgado nas redes sociais – O texto provavelmente é uma compilação de vários outros arquivos, podendo ter vários autores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *